7 cuidados que você deve ter ao se mudar para um imóvel alugado

Compartilhe

O processo de procura do imóvel alugado ideal para suas necessidades, seja para residência ou abrigar sua empresa, demanda tempo e energia. Quando o imóvel perfeito aparece, não deixe que a animação e cansaço te atrapalhe a verificar todos os detalhes pertinentes às responsabilidades de todas as partes envolvidas: proprietário, inquilino e imobiliária.

Alguns dos principais motivos de aborrecimento ao se alugar um imóvel são decorrentes da leitura desatenta do contrato ou da falta de detalhamento do momento. O Clube Imóvel traz dicas para você conferir pontos essenciais antes e depois de se mudar para o imóvel alugado para você pegar as chaves sem medo.

Fique atento nestes detalhes ao se mudar para um imóvel alugado

  1. Revise o contrato

Pense no contrato como o manual que irá reger todas as relações e responsabilidades das partes envolvidas na locação do imóvel. Garanta que o documento seja claro para estabelecer prazos, divisão de responsabilidades, taxas de reajuste do aluguel, multas, valores referentes à garantias e caução e relatório de vistoria com estado de conservação geral do imóvel. Se achar necessário, peça para incluir outros pontos que julgar pertinente.

2. Confira os sistemas elétrico e hidráulico

Ao receber as chaves é primordial que você visite o imóvel para observar o estado de conservação do imóvel. Tenha em mãos o relatório de vistoria, que é entregue em conjunto com o contrato de locação, e avalie se o imóvel está de acordo com o descrito. Não se esqueça de testar o sistema hidráulico, abrindo torneiras para garantir que não há vazamentos. No sistema elétrico, verifique se todas as tomadas funcionam, se a voltagem está de acordo e a chave geral de energia.

Caso haja divergências com o laudo de vistoria, comunique imediatamente à imobiliária responsável para que as providências sejam tomadas e você não seja cobrado posteriormente por danos pré-existentes à sua entrada.

3. Troque todas as fechaduras

Após estar ciente de tudo o que está estabelecido no contrato, você finalmente pegou as chaves do imóvel. Mas, antes de se mudar, lembre-se que outras pessoas tinham acesso ao local. Se o imóvel alugado estava ocupado anteriormente, então os antigos moradores tinham acesso livre ao local. Além disso, é comum que a imobiliária tenha uma cópia das chaves para facilitar a marcação das visitas dos interessados. Assim, para garantir sua segurança, troque todas as chaves assim que recebê-las.

4. Verifique as regras do condomínio

Se o imóvel alugado se encontra dentro de um condomínio, informe-se previamente sobre  todas as regras para que você não dê bobeira e leve multa no primeiro mês. Converse com o síndico e peça para que lhe envie o Regimento Interno e as normas de convivência. Geralmente, a mudança só pode ocorrer em dias e horários determinados assim como há a necessidade de agendamento prévio para que o condomínio possa se organizar para sua chegada.

Nas primeiras semanas após a mudança, é comum que haja instalações com uso de furadeiras, martelos, entre outras ferramentas que causam ruídos. Assim, as regras sobre barulho também devem ser observadas. Fique atento também sobre as normas em relação a animais de estimação, enfeites no lado externo do imóvel, uso do espaço comum em geral.

5. Alterações na estrutura apenas com autorização

A partir do momento que o inquilino muda-se para o imóvel, a responsabilidade de zelar pelo bom estado da propriedade é dele. Assim, é preciso cuidar para a manutenção dos bens e estrutura (como pintura, pisos, azulejos, furos em paredes, etc) para que, ao fim do contrato de locação, o bem seja devolvido nas mesmas condições que lhe entregue.

Contudo, quando consertos estruturais são necessários, a responsabilidade é do proprietário. Como exemplo, casos de telhado danificado, problemas nas redes elétricas, hidráulicas e de esgoto, vícios ocultos e imperfeições pré-existentes devem ser comunicados à imobiliária e locador para que as devidas providências sejam tomadas.

Fica proibido também que o locatário faça reformas estruturais (isto é, abertura de paredes, colocação de grades, alarmes, fazer pinturas com cores e tipo de tinta diferentes das originais, entre outros) sem autorização expressa do proprietário. Infringir tais determinações podem  resultar em multas e punições, de acordo com o previsto no contrato.

6. Não tenha dúvidas sobre o IPTU

De acordo com o Constituição Federal e o Código Tributário brasileiro, a responsabilidade de quitar as dívidas referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) é daquele que é dono da propriedade em questão. Ou seja, ao se tratar de um imóvel alugado, o locador tem a obrigação de pagar. Porém, o artigo 22 da Lei do Inquilinato estabelece que, caso seja devidamente expresso em contrato,  a responsabilidade pode ser transferida para o locatário.

7. Faça a transferência das contas para seu nome

A obrigação de pagar as despesas de telefone e de consumo de força, luz e gás, água e esgoto são do locatário, como explícito no artigo 23 da Lei supracitada. Como o inquilino é aquele que está, de fato, usufruindo dos serviços, seu nome deve estar vinculado à eles. Apesar deste ponto não estar pontuado na lei, muitos contratos estabelecem um prazo máximo para que seja feita a transferência das titularidades das contas.

Acompanhe nosso blog para mais dicas e não erre na hora de escolher o seu imóvel! Receba nossa newsletter, faça seu cadastro no box ao lado.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *